sábado, 19 de outubro de 2013

Resenha - Black Sabbath "Paranoid" (1970)


Ao longo dos anos, o Heavy Metal se desenvolveu de tal maneira (seja com a criação de  “milhares” de subdivisões) que ao se escutar o primeiro álbum do Sabbath dificilmente, em um primeiro momento, virá à mente a visão que se foi construída de metal. A influência latente de blues foi diminuindo com o desenvolvimento do gênero na década de 70. Com o tempo, as bandas começaram a tocar mais rápido e se vestirem de maneira própria, com couro e/ou jeans.

Mesmo assim, o Black Sabbath de Ozzy Osbourne (vocal), Tony Iommi (guitarra), Geezer Butler (baixo) e Bill Ward (bateria) já profetizava no início da carreira como seria o futuro. E não só eles, mas como o gênio revolucionário da guitarra Jimi Hendrix afirmava: “Heavy Metal é a música do futuro”. E mais uma vez, uma data deve ser ressaltada... Em 18 de setembro de 1970, Hendrix era encontrado morto engasgado no próprio vômito e o Black Sabbath lançava o segundo LP: “Paranoid”. 

A primeira faixa, “War Pigs” seria também o título do lançamento, porém o conteúdo anti-guerra (em plena Guerra do Vietnã) não era atraente comercialmente, segundo a gravadora. Antes de o disco ser finalizado, havia um pequeno espaço a ser preenchido, por isso a banda (com um tempo tão curto quanto de gravação) criou o clássico “Paranoid”. A música que nasceu em meia a pressão e com riff improvisado de Iommi, se tornou o nome do álbum e uma das mais conhecidas de todo o gênero. A paranoia era o tema: “Think I'll lose my mind if I don't find something to pacify. Can you help me? Occupy my brain? Oh yeah./ Acho que vou perder minha cabeça se eu não encontrar alguma coisa para acalmar. Você pode me ajudar? Ocupar o meu cérebro? Oh yeah.” Sem dúvida um clássico memorável. Ela também se destacava pela sonoridade atípica, pois se diferenciava do som mais arrastado/cadenciado apresentado no 1º álbum, já que era curta e veloz. Porém, a primeira faixa do disco é “War Pigs”. Um crítica voraz à política e que é com certeza atemporal, onde estes “engravatados” manipulam a população: “Politicians hide themselves away. They only started the war. Why should they go out to fight? They leave that role to the poor, yeah!/ Políticos se escondem. Eles apenas iniciaram a guerra. Por que eles deveriam sair para lutar? Este papel eles deixam para os pobres, yeah!” Isso mostrava a evolução da Sabbath liricamente ao tratarem de temas reais e de interesse público. Satã havia ficado no passado... Ou não! O solo de Iommi é belíssimo, melódico e denso.  

A 2ª faixa é “Paranoid” e em seguida está “Planet Caravan”. Psicodélica (com Ozzy de voz distorcida combinado à batida de tambores e o clima e efeitos produzidos), talvez inspirada na recente conquista do homem na Lua, o Black Sabbath produz uma música um tanto quando contemplativa para a beleza do universo. Com menos de um ano de carreira em exposição, Tony Iommi já havia garantido a própria marca na história da música ao produzir uma gama de riffs criativos, porém ao mesmo tempo melódicos, cheios de sentimento e eternos. 

Iron Man” comprovo isso. Até quem não a conhece acabou escutando ela, já que faz parte da trilha sonora da série cinematográfica estrelada pelo ator Robert Downey Jr. “Homem de Ferro” (2008).  “Eletric Funeral” traz o lado “doom” tradicional do Sabbath. De andamento mais lento, traz a uma visão de um planeta Terra completamente destruído pela radiação, onde a vida é quase inexistente: “Buildings crashing down. To Earth's cracking ground. Rivers turn to mud. Eyes melt into blood./ Edifícios ruind. No chão rachado da Terra. Rios viram lama. Olhos derretem em sangue.” 

Para fugir das lembranças da guerra, um sujeito acaba por torna-se viciado em drogas em busca de uma fuga da realidade. Este é o tema da densa e sombria “Hand of Doom”: “First it was the bomb, Vietnam napalm. Disillusioning, you push the needle in. From life you escape, reality's that way. Colours in your mind satisfy your time./ Primeiro foi a bomba, napalm do Vietnã. Desiludido, você injeta as agulhas. Da vida você escapa, a realidade é assim. Cores em sua mente satisfazem seu tempo.” A penúltima faixa é a instrumental “Rat Salad”. É a vez de Bill Ward brilhar com um belo solo de bateria. 

Por fim, “Fairies Wear Boots”. Em um primeiro momento ao se ler a letra, imagina-se que se trata de alguém relatando (muito chapado) que viu fadas e que elas usavam botas! Acredite! É uma composição engraçada, mas o mais interessante é a história por trás dela. A verdade é que estes serem mágicos são uma metáfora utilizada pelo Black Sabbath para relatar uma surra que levaram de skinheads em 1969: “Yeah, fairies wear boots and you gotta believe me. Yeah, I saw it, I saw it, I tell you no lies. Yeah, fairies wear boots and you gotta believe me. I saw it, I saw it with my own two eyes. Allright now!/ Fadas usam botas e você tem que acreditar em mim. Sim, eu vi, eu vi, não te digo mentiras. Sim fadas usam botas e você tem que acreditar em mim. Eu vi, eu vi com meus próprios olhos. Agora mesmo!” 

A crítica na época, novamente, não valorizou um álbum do Sabbath. O reconhecimento por parte dos jornalistas só veio no futuro, quando o lançamento passou a estar presente na maioria das listas de “melhores álbuns de metal de todos os tempos”. Por parte de público, a história é diferente. “Paranoid” chegou ao topo da parada musical britânica e ficou entre vinte mais vendidos nos Estados Unidos já em 1970. Muitos fãs não só escolhem este o melhor lançamento da banda como o do próprio Metal em si. Alguns grupos demoram muito tempo para evoluírem ou para arriscarem-se por novos horizontes. Oitos meses depois lançarem o debut o Black Sabbath mostrou em “Paranoid” que realmente eram diferenciados musicalmente, pois além de evidenciarem definitivamente o talento dos integrantes, mostraram que sabiam fazer músicas fora do estilo doom/arrastado, como em “Paranoid”. As letras também eram inteligentes, conscientizadoras e atemporais vide “Iron Man”, “Electric Funeral” e “War Pigs”. O Sabbath crescia e o Heavy Metal também. 

Faixas (clique e ouça):
1- War Pigs
2- Paranoid
3- Planet Caravan
4- Iron Man
5- Electric Funeral
6- Hand of Doom
7- Rat Salad
8- Fairies Wear Boots


Opinião do autor:
Nota track by track.

Nota do álbum.
Banda: Black Sabbath
Ano: 1970
Álbum de estúdio nº 2
Gravadora: Vertigo
Gênero: Heavy Metal
País: Reino Unido

0 comentários:

Postar um comentário

Google+ Twitter RSS Facebook