sábado, 18 de outubro de 2014

Resenha: Black Sabbath "Sabbath Bloody Sabbath" (1973)


Depois de lançarem o bem sucedido “Vol.4” (para os padrões da banda) em 1972, o Black Sabbath formado por Bill Ward (bateria), Geezer Butler (baixo), Tony Iommi (guitarra) e Ozzy Osbourne (vocal) estava com receio de fracassar. Osbourne não queria, no entanto, que o Black Sabbath perdesse o direcionamento para fazer algo com uma sonoridade distante daquilo que se remetia ao ouvir o nome da banda. O antecessor foi produzido em meio às regalias (mansão, drogas, mulheres, sol...) em Los Angeles nos Estados Unidos. Porém, desta vez, eles resolveram permanecer na terra natal: a Grã-Bretanha. Mais especificamente na Floresta de Dean, fronteira da Inglaterra com País de Gales no castelo Clearwell. Desde o primeiro dia que chegaram ao local, já ficaram com medo. Era mórbido, repleto de cabeças de animais empalhados pelas paredes, camas com colunas pelos quatro cantos, lareiras e um calabouço que usaram para ensaiar. Os moradores da região afirmaram que sempre ouviam vozes, choros e sombras dentro do castelo à noite. Ozzy na biografia “Eu Sou Ozzy” (Benvirá, 2010) afirma que não sabe quem deu a “ideia brilhante” de gravarem ali. De repente a banda acusada de satanismo estava morrendo de medo da própria sombra naquele lugar. 

Originalmente, eles queriam voltar a Bel Air na América, mas não puderam, pois Steve Wonder estava usando o estúdio que gravaram o “Vol.4”: o Record Plant. Para se divertirem escolheram a opção mais óbvia e “sadia”: se assustarem. A todo instante, um aplicava uma pegadinha tentando assustar o outro. O ambiente estava divertido, mas havia um problema... A criatividade para compor não surgia. A mente de Iommi para riffs estava em branco. E sem isso, não havia músicas. O fim das preocupações só aconteceu quando ouviram o álbum “Moontan” da banda holandesa Earring. Tony voltou a se inspirar e compôs o riff da futura faixa “Sabbath Bloody Sabbath”. Para celebrarem o fim do “apagão” definiram que o novo álbum se chamaria “Sabbath Bloody Sabbath”. 

Com o trabalho já quase pronto, o Black Sabbath volta para Londres no Morgan Studios para termina-lo. O estúdio era famoso na época, por isso não era raras as vezes que grandes grupos se esbarrando no local. Desta vez, o Sabbath dividiu espaço com a banda Yes de Rock Progressivo. Eles eram hippies e espalharam no estúdio deles vacas de cartolina com tetas elétricas e feno para que se sentissem no campo. Estavam gravando o álbum “Tales From Topographic Oceans”. O tecladista do grupo Rick Wakeman fez amizade com Ozzy Osbourne. Ambos tomavam cerveja, jogavam dardos e contavam histórias em bar perto dali. São amigos até hoje. 

Um dia, Rick estava entediado e Ozzy resolveu distraí-lo. Levou-o até o estúdio e mostro o riff de “Sabbra Cadabra”. Wakeman gostou, mas mostrou no teclado como esta poderia ficar melhor. Osbourne ficou tão empolgado com o que ouviu que pediu para que ele tocasse novo álbum do Sabbath. O tecladista aceitou e participou de duas faixas. A citada “Sabbra Cadabra” e em “Who Are You?”. A arte da capa chama atenção. Feita pelo ilustrador americano Drew Strutzan ela mostra um homem deitado em uma cama sendo torturado por demônios. Acima da cabeça dele o símbolo de 666. Ozzy Osbourne na autobiografia afirma que este álbum traz o velho som do Sabbath combinado ao novo e experimental, porém diz que foi o último grande lançamento do grupo. Ele foi lançado em 1 de dezembro de 1973. 

A obra já começa com a faixa título “Sabbath Bloody Sabbath”. Não é a toa que Tony Iommi é reconhecido como mestre dos riffs... O desta música é pesado e memorável. Como um todo, varia entre momentos fortes e calmos quase acústicos. A letra pode ser entendida como uma crítica ao cristianismo: “Nobody will ever let you know. When you ask the reasons why. They just tell you that you're on your own. Fill your head all full of lies, lies. Lies, lies, lies./ Ninguém nunca vai te deixar saber. Quando você pergunta as razões, o porquê. Eles apenas dizem que você está por conta própria. Enchem sua cabeça de mentiras, mentiras. Mentiras, mentiras, mentiras.” O peso continua (como se tivesse sido atingido na cabeça por um pedaço de concreto, brinca Ozzy em “Eu Sou Ozzy”) em “A National Acrobat”. Destaque para o riff de abertura e a harmonia que acompanha Osbourne na entrada do vocalista. Porém ao final o andamento muda para um som mais rápido e de melodia “quase feliz”. A letra é cheia de metáforas e tem um ar de ficção científica talvez alavancado pelo auto consumo de drogas à época, mas há um pouco de consciência no meio: “Just remeber love is life and hate is living dead. Treat your life for what it's worth and live for every breath./ Apenas se lembre que amor é vida e ódio é vida morta. Empenhe sua vida no que vale a pena e viva por cada respiração sua.” 

Mantendo a tradição de faixas instrumentais “Fluff” ao violão e piano é calma, melódica e até relaxante. Bela e singela soa como a inocência infantil. Letras sobre as diversas formas de amor tendem (até no Metal) a serem acompanhadas de músicas mais leves, acessíveis e bem melódicas, mas... Já que é o Black Sabbath que está abordando o tema, logo nos primeiros segundos de “Sabbra Cadabra” surge mais belo riff de Tony. A faixa é pesada, tem passagens mais calmas e até a adição dos teclados de Wakeman (como citado no início do texto). A letra é simples e apaixonada: “Feel so happy since I met that girl. When we're making love. It's something out of this world. Feels so good to know that she's all mine. Going to love that woman till the end of time./ Me sinto tão feliz desde que conheci aquela garota. Quando nós estamos fazendo amor. É algo fora desse mundo. Me sinto tão bem em saber que ela é toda minha. Vou amar aquela mulher até o fim dos tempos.” O problema é que ela dá margem a diversas interpretações, como uma singela de paixão, um amor possessivo (como se o narrador tivesse aprisionado a amada)... Vai da cabeça de cada um. 

Killing Yourself To Live” traz vários elementos do Sabbath, como um grande riff, a veia blues ainda viva (escute o final), passagens mais lentas e densas e outras mais rápidas. Para algumas pessoas a realidade pode ser tão dura que a única maneira de sentir melhor é ficando chapado com drogas. A pressão da sociedade e os problemas pessoais somados resulta neste comportamento suicida e auto destrutivo: “How people look and people stare. Well I don't think that I even care. You rot your life away and what do they give? You're only killing yourself to live. Killing Yourself To Live! Killing Yourself To Live!/ O modo como as pessoas olham e encaram. Bem, eu não penso assim, não dou a mínima. Você joga(apodrece) sua vida fora e o que eles te dão? Você só está matando-se para viver. Matando-se para viver. Matando-se para viver.” 

Deus ou o diabo? Um destes manipulam as pessoas ao bel prazer os próprios fiéis. O Sabbath quer saber quem afinal é esta criatura maléfica na sintetizada “Who Are You”: “Giving us your trust. And when you have played enough. You'll just cast our souls. Into the dust. Into the dust./ Nos dando sua confiança. E quando você tiver brincado o bastante. Você apenas jogará nossas almas. No pó. No pó.” Depois, vem a mais simples e rock n’ roll “Looking For Today”. Ela também possui partes calmas e acústicas acompanhadas de instrumento de sopro. Fala sobre as dores e pressões do dia a dia que acabam com os sonhos e orgulho pessoal dos indivíduos: “Everyone just gets on top of you. The pain begins to eat your pride. You can't believe in anything you knew. When was the last time that you cried./ Todo mundo sobe em cima de você. A dor começa a comer o seu orgulho. Você não pode acreditar em nada daquilo que você sabia. Quando foi a última vez que você chorou?” 

A última faixa “Spiral Architect” conta com a presença de uma orquestra e dá um tom épico em vários momentos ao se escutar o peso do Sabbath somado aos violinos. A letra é viajante e talvez reflita o estado (chapado) de espírito da banda na época: “Superstitious century. Didn't time go slow. Separating sanity. Watching children grow. Synchronated undertaker. Spiral sky. Silver ships on plasmic oceans. In disguise./ Século supersticioso. O tempo não passou muito devagar? Separando a sanidade. Vendo as crianças crescerem. Coveiro sincronizado. Céus espirais. Navios prateados em oceanos plasmáticos. Em disfarce.” 

“Sabbath Bloody Sabbath” foi o primeiro álbum bem recebido por boa parte da crítica. O motivo, provavelmente, deva-se as mudanças sonoras. O Rock Progressivo estava no auge. O estilo conhecido em síntese pelo virtuosismo influenciou a banda. O peso do Metal agora estava aliado ao experimentalismo oriundo da utilização de diferentes instrumentos musicais. O diferencial da obra fica pela utilização de sintetizadores graças a participação de Rick Wackman e das construções elaboradas e com mudanças de tempo ao longo de cada música. Muitos fãs o consideram um clássico por tudo isso, mas alguns torceram o nariz. O destaque positivo mesmo é o equilíbrio apresentado entre o novo e o antigo. Os riff de Heavy Metal estão lá, assim como as letras “satânicas” que retornaram. Apesar do lado Prog e da bela “Fluff”, “Sabbath Bloody Sabbath” mostrava o peso do Heavy Metal tradicional e não mais apenas aquele “blues mal encarado” que serviu de base o Doom Metal como nos primeiros lançamentos. 


Faixas (clique e ouça):
1- Sabbath Bloody Sabbath
2- A National Acrobat
3- Fluff
4- Sabbra Cadabra
5- Killing Yourself To Live
6- Who Are You
7- Looking For Today
8- Spiral Architect

                                                                                    Opinião do autor:
Nota track by track.
Nota do álbum.


Banda: Black Sabbath
Ano: 1973
Álbum de estúdio nº 5
Gravadora: Vertigo / Warner Brothers
Gênero: Heavy Metal
País: Reino Unido




0 comentários:

Postar um comentário

Google+ Twitter RSS Facebook